A indústria papeleira espanhola reciclou 78% do papel que consumimos

18 de julio de 2022

ASPIRAÇÃO

Tendo a circularidade e a descarbonização como eixos de ação ambiental da indústria da pasta e do papel em Espanha, o facto de fábricas de papel reciclam 78% do papel que consumimos, bem como a promoção da gestão florestal sustentável e a sua certificação, com o resultado que 65% do papel colocado no mercado é certificado, ou ter conseguido dissociar as emissões de CO2 da produção, reduzindo-as em 21% na última década e ter reduzido o uso total de água no processo de fabricação para menos da metade desde 1990, de acordo com a Atualização do Relatório de Sustentabilidade do Papel editado pela ASPAPEL.

"A indústria papeleira espanhola, com 10 fábricas de celulose e 69 fábricas de papel, produz todas as grandes variedades de papel", explica Elizabeth Alier, presidente da ASPAPEL— com matérias-primas renováveis, recicláveis ​​e locais. 95% da madeira e 69% do papel usado para reciclagem que utilizamos é de origem local. Ao transformar essas matérias-primas locais, criamos riqueza em nosso país e contribuímos para a soberania industrial, que se mostrou tão importante durante a pandemia. Com as plantações de madeira para papel, criamos emprego e riqueza na Espanha vazia».

Em 2021, as dez fábricas de pasta espanholas utilizaram 5.451.400 m3 de madeira como matéria-prima para produzir 1.777.000 toneladas de pasta. O consumo total de madeira para papel aumenta em 2021 em 2,2% em relação ao ano anterior.

Trata-se de madeira de espécies de rápido crescimento (eucalipto e pinus) cultivadas para este fim em plantações, que estão continuamente em regeneração e replantação e não existiriam de outra forma. A madeira utilizada como matéria-prima pela indústria do papel em Espanha provém 95% destas plantações locais de pinheiros e eucaliptos (e os restantes 5% provêm de plantações de outros países europeus vizinhos). Em percentual elevado e crescente (58%), também é madeira com certificação de manejo florestal sustentável (FSC e/ou PEFC). Estas plantações de papel representam 5.074 empregos diretos e 15.882 empregos indiretos na Espanha vazia.

Após o uso, os produtos de papel são recolhidos para reciclagem através de dois canais: a coleta seletiva municipal (contêiner azul, comercial porta-a-porta e pontos limpos) e a coleta realizada por operadores privados em grandes áreas de distribuição, indústrias, gráficas, etc.

Por meio desses dois canais, em 2021, foram recolhidas 4.403.200 toneladas de papel e papelão para reciclagem, volume ligeiramente superior ao de 2020 (0,4%) e já em linha com o volume de coleta pré-pandemia. Esses dados mostram tanto a adequação do sistema espanhol de coleta de papel e papelão quanto as raízes profundas do hábito de reciclar esse material na sociedade espanhola.

As fábricas de papel espanholas reciclaram 5.354.800 toneladas de papel usado em 2021, um aumento de 4,4% em relação ao ano anterior. A Espanha é o segundo maior país reciclador da UE em volume, superado apenas pela Alemanha e praticamente empatado com a Itália. Graças a esta grande capacidade de reciclagem, a indústria papeleira espanhola garante a reciclagem em nosso país de todos os papéis e papelões coletados seletivamente, que atendem aos padrões de qualidade europeus (norma europeia UNE-EN 643).

De facto, a taxa de reciclagem em Espanha (papel para reciclagem utilizado como matéria-prima/consumo de papel e cartão) ascende a 77,6%, ultrapassando já em quase dois pontos a meta europeia para 2030 recentemente definida pelo Conselho Europeu de Reciclagem. Isso significa que a indústria papeleira espanhola reciclou em 2021 quase 78% do papel que consumimos em nosso país.

Fazendo papel com menos água
Em 2021, o uso total de água nas fábricas espanholas de celulose e papel é de 110 milhões de m3 por ano, metade da água usada em 1990, apesar de a produção ter aumentado mais de 60% desde então. E se tomarmos como referência a última década, frente aos 119 milhões de m3 por ano em 2012, a queda foi de 8%.

É importante ressaltar que no processo de papel, uso e consumo de água são conceitos diferentes: do total de água utilizada no processo, apenas uma pequena parte é efetivamente consumida, que evapora ou é incorporada ao produto final. E o resto é devolvido limpo.

Assim, dos 110 milhões de m3 de água utilizados pela indústria papeleira espanhola em 2021, apenas 15% foram efetivamente consumidos. Os restantes 85% (93 milhões de m3) foram devolvidos purificados ao meio receptor (rios ou lagos, mar, esgotos municipais, estuários...), após serem reutilizados internamente tantas vezes quanto possível.

Também na última década houve uma melhoria significativa na qualidade das descargas em quase todos os indicadores, que se encontram atualmente nos mais altos padrões permitidos pelas Melhores Tecnologias Disponíveis. O parâmetro Demanda Química de Oxigênio (DQO) em 2021 diminuiu 2012% em relação a 62 para celulose e aumentou 14% para papel. Os Sólidos Suspensos (SST) diminuíram 56% para a celulose e 33% para o papel. Por fim, os Compostos Orgânicos Halogenados (AOX), a descarga específica da produção de celulose branqueada, diminuiu 86%.

Descarbonização
Nesta área, as medidas de eficiência energética, a utilização de biomassa como combustível e a cogeração são os três pilares da estratégia do setor em Espanha em termos de redução de emissões. Com esta estratégia, as emissões totais de CO2 foram reduzidas em 21% em relação a 2012 e as de SOx e NOx em 83% e 40%, respectivamente.

O setor papeleiro é hoje o maior produtor industrial e consumidor de biomassa em nosso país. Atualmente, a biomassa responde por 37% do total de combustíveis utilizados pelo setor.

A indústria de papel e celulose é eletrointensiva e calorífica e produz a maior parte da energia térmica e elétrica de que necessita em usinas de cogeração localizadas próximas às suas fábricas, com capacidade instalada de 876 MW. A cogeração produz eletricidade e calor útil na forma de vapor, otimizando o uso de combustível, economizando energia primária (uma economia de mais de 10%) e reduzindo as emissões.

Você pode estar interessado em continuar lendo ...

Embalagem de papel para produtos de higiene feminina

O Optima Group desenvolveu embalagens para toalhas de papel em colaboração com um grupo global de bens de consumo. Esta é a primeira embalagem de papel a ser utilizada no segmento de produtos ...

International Paper investe 3.6 milhões de euros em sua fábrica de Villalbilla na Espanha

A fábrica da International Paper na cidade de Villalbilla (Madrid), especializada na produção de embalagens à base de fibras renováveis, recebeu um investimento de 3.6 milhões de euros c...

Amcor lança o primeiro saco encolhível reciclável para carne e queijo

A Amcor lançou o Eco-Tite® R na Europa, o primeiro saco retrátil sem PVDC projetado para ser reciclado na embalagem de carne vermelha, aves frescas ou processadas e alguns queijos. Eco-Tite® ...

Quadpack se torna B Corp

A Quadpack conquistou a distinção do B Lab como B Corporation, após demonstrar que atende aos mais exigentes padrões de verificação de desempenho socioambiental, transparência pública e r...

Selfpackaging patenteia sistema de caixas rígidas dobráveis

Selfpackaging, empresa do setor de embalagens com mais de 30 anos de experiência, patenteia um sistema de caixas rígidas dobráveis. É uma embalagem rígida mas ao mesmo tempo dobrável, fácil de montar...

Magnum edição limitada Ruinart por Jaime Hayon

O champanhe Ruinart regressa ao Arco, a prestigiada Feira Internacional de Arte a decorrer em 2022 de 23 a 27 de fevereiro. Para esta ocasião, a Maison Ruinart selecionou o artista Jaime Hay...
Traduzir »